Fenaban enrola no debate sobre avaliação do PCMSO

Fenaban enrola no debate sobre avaliação do PCMSO
sexta-feira, 01/12/2017

A reunião entre representantes da Contraf-CUT, representada pelo Coletivo Nacional de Saúde do Trabalhador, e da Fenaban, da Comissão Bipartite de Saúde do Trabalhador, realizada nesta terça-feira (28/11), em São Paulo, terminou sem avanços.

A Fenaban pediu mais tempo de amadurecimento dos bancos para a composição do formulário da pesquisa que se propõe a avaliar a efetividade do PCMSO (Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional), regulamentado pela NR (Norma Regulamentadora) 7 do Ministério do Trabalho e Emprego e previsto na cláusula 67ª da CCT (Convenção Coletiva de Trabalho) 2016/2018, que tem como foco central políticas de prevenção.

Os representantes dos bancos ainda voltaram atrás e negaram a criação de um grupo de trabalho específico para discutir a pesquisa sobre os serviços médicos dos bancos, com a justificativa de que não teria como reduzir a bancada que já participar dos encontros.

“Eles haviam se comprometido a criar um grupo de trabalho para acelerar o processo de criação do formulário. Nossa avaliação é que com essa recusa, eles querem retardar a realização da pesquisa, ferramenta fundamental para solução de um problema que tem causado inúmeros conflitos e dificuldades para os bancários”, afirmou Walcir Previtale, secretário de Saúde do Trabalhador da Contraf-CUT.

Os afastamentos dos bancários também foram debatidos. Os trabalhadores propuseram iniciar o ano que vem com uma discussão para analisar as causas do adoecimento da categoria e propor políticas preventivas. “Sempre que fazemos pesquisa com a categoria, a saúde entra como um tema central e para a gente também é. Queremos chegar de fato, num objetivo comum que é a atuação na prevenção desses problemas que causam adoecimento dos bancários”, explicou Adriana Nalesso, representante do Comando Nacional dos Bancários.

Luciana Duarte, representante da Fetrafi-MG, também lembrou que o tema saúde do trabalhador figurou como item importante na consulta feita à categoria na última Campanha Nacional. “É muito preocupante o crescimento no número de adoecimento mental, infartos e até suicídios na categoria.”

Os dois assuntos voltam à pauta na próxima reunião, que será realizada em 2018. Os bancos ficaram de trazer suas ponderações quanto à proposta de questionário, com 21 questões, entregue pelos bancários em maio de 2017.  Já os representantes dos trabalhadores trarão seus números tabelados de afastamentos. Eles reivindicaram que os bancos também apresentem seus números.

Fonte: Contraf-CUT

LM

COMPARTILHE